terça-feira, 16 de agosto de 2011

Voto Distrital X curral eleitoral

O curral eleitoral é conhecido como a área de influência de um político com ramificações em várias aspectos da sociedade desse local, tanto econômico como político. Tb é chamado de feudo. É associado aos “coronéis” – do coronelismo, não dos militares – ou “caciques”, que geralmente tem vários mandatos proporcionados pelos votos de uma mesma região, seja para a Camara dos Deputados ou a Assembleia Legislativa.

Pelo atual sistema, o proporcional de voto aberto, outros políticos não tem interesse em adentrar para valer o curral eleitoral do “coronel” pq todos os candidatos podem pedir votos em todo o estado ou cidade, então a disputa nesse feudo é pequena. O cacique muitas vezes tb é ajudado pela votação total de seu partido, no caso dos maiores.

A possibilidade da eleição do “coronel” depende de quantos votos ele conseguir em seu feudo e fora dele, em comparação a todos os outros candidatos. Ou seja, os votos de seu curral pode ou não ser suficiente para ele se eleger. Seus eleitores, no entanto, tem apenas o cacique local como opção, já que ninguém mais se apresenta para representá-los.

No voto distrital, no entanto, o curral eleitoral passa a ser cobiçado por outros candidatos, inclusive políticos de vários outros partidos, pq aquele distrito onde fica o feudo representa um cadeira no legislativo, e nenhum partido grande vai deixar de disputar esta cadeira.

Outra vantagem do voto distrital é proporcionar o chamado “voto contra“, no caso, contra o cacique local. No distrito, a oposição pode se unir contra o coronel para eleger outro candidato, concentrando neste o voto daqueles que não querem a eleição do político forte local. Isso acontece nas eleições para o Senado, onde senadores fortes foram derrotados em seus estados, como Arthur Virgílio no Amazonas, Marco Maciel em Pernambuco e Tasso Jereissati no Ceará, em campanhas lideradas pelo ex-presidente Lula no ano passado.

O poder financeiro, por outro lado, tem sua importância diminuída no voto distrital, assim como o poder partidário. Concorrendo em um distrito menor que o estado todo, é mais fácil candidatos com menor poder financeiro fazerem suas campanhas, pq precisam cobrir uma área geográfica menor e uma população de tamanho reduzido.

O poder partidário tb é reduzido, já que os caciques partidários são sempre apoiados por legendas com grande quantidade de votos, ou seja, um coeficiente eleitoral maior, no atual sistema proporcional. Mas, no voto distrital, candidatos de partidos menores disputam a cadeira do distrito independentemente da votação total de seus partidos.

O voto distrital, entre outras qualidades, pode ajudar o presidente, governadores e prefeitos a formar uma maioria de forma mais fácil no legislativo, evitando o famigerado “presidencialismo de coalizão” que utilizada cargos e verbas como forma de agregar partidos fisiológicos ao governo, como no atual caso PR/Ministério dos Transportes.

O voto distrital, no entanto, não resolverá sozinho os problemas do Brasil. Ele é apenas um pedaço de uma reforma política e administrativa ampla que o país precisa passar para reduzir a impunidade e a corrupção enquanto aumenta a representatividade do eleitor. Várias outras mudanças tb são essenciais, como o fim dos suplentes, o fim da imunidade parlamentar e foro privilegiado, além das reformas fiscal e previdenciária, entre outras.

consciencialiberal

Nenhum comentário: